O que é ser normal? Essa é uma pergunta muito relativa, para os outros a minha “normalidade” consiste em que eu aja conforme eles esperam; para mim o meu normal é ser eu, é fazer o que eu gosto, o que eu quero na hora e local em que melhor me convier.

Para os dicionários, normal é algo conforme a regra, habitual, usual, comum; não gosto de ser comum, não gosto de todas as regras, mas continuo me considerando uma pessoa normal. Para a sociedade de uma forma geral é você pertencer há um grupo e ser como as pessoas desse grupo, a autenticidade não é vista como uma coisa normal.

É engraçado observar como as pessoas nos vêem, lembro de quando entrei na faculdade, para os meus colegas cursar Matemática era algo absolutamente normal, já para os de fora éramos loucos. E quando resolvi saltar de pára-quedas então, ninguém do meu convívio achou isso normal, mas lá no grupo de pára-quedismo, louco é quem não faz isso pelo menos uma vez na vida. Já fui taxada de louca até por gostar de ler e ler muito; que mundo é esse meu Deus?

Não quero ser normal, não quero viver de acordo com o que é convencionado que é certo, afinal eu não gosto das mesmas músicas que a grande maioria, não uso as mesmas roupas, não vou aos mesmos lugares, não gosto de modismos. Tenho as minhas particularidades e não preciso ser como os outros para ser feliz. O mundo não é normal, normal é fazer frio no inverno e calor no verão, ultimamente não tem sido assim; normal é pessoas espertas e inteligentes se darem bem na vida, é o tempo curar tudo.

Ditos populares são verdades escritas pelo tempo e pela sabedoria, um deles diz: de perto, ninguém é normal; sendo assim temos duas opções, vemos tudo de longe ou aprendemos a aceitar as diferenças, são as diferenças que deixa a vida divertida, tudo seria muito chato se todos fossem iguais. É por isso que eu tento fazer a minha parte, sempre tento não ser normal! 



Fonte: ANDDOS NEWS